Características da Metafísica Ou a Metafísica e a Finitude

Imagem

Características da Metafísica

Ou a Metafísica e a Finitude

A metafísica, no âmbito do pensamento filosófico, pode ser considerada como uma espécie de busca por verdades e conceitos absolutos, a-históricos, atemporais e universais.

De certa forma, isto representa a continuação do projeto platônico, no sentido de uma busca pela segurança e pelo conforto dos conceitos controladores da metafísica, para usar a expressão de Jürgen Habermas.

No vocabulário do filósofo brasileiro Ernildo Stein, estes conceitos controladores também podem ser chamados de princípios epocais. Os princípios epocais são paradigmas construídos por pensadores e que se tornam referências com capacidade de influenciarem decisivamente em outras instâncias da cultura (conhecimento, ética, estética, política, arte etc).

Entre estes princípios epocais estariam, por exemplo, o mundo das idéias de Platão, a substância em Aristóteles, o ipsum esse subsistens (o Ser que subsiste na sua plenitude, ou Deus) do pensamento medieval, o cogito cartesiano, os juízos sintéticos e juízos analíticos em Kant, o espírito absoluto em Hegel, a vontade de poder em Nietzsche, o Dasein (Ser-aí) em Heidegger.

Poderiam ser acrescentados aqui também os conceitos de mente, subjetividade e natureza humana como princípios epocais da modernidade, a partir de Locke, Hume, Descartes, Kant e Hegel.

Além da constituição (ou a tentativa de constituição destes conceitos controladores ou princípios epocais), a metafísica, e a própria filosofia, de certa forma, se estruturam em torno de quatro aspectos básicos:

1.) Pensamento da identidade: a filosofia herda do mito o desejo de explicar e justificar o todo. A multiplicidade de eventos e coisas, apesar de constituírem-se entidades particulares, podem ser compreendidos como fazendo parte de um único todo;

2.) Idealismo: a perspectiva de que há uma forma ideal no pensamento – idéia –, que deve ser perseguida na expressão, na representação. A filosofia terá atingido seu principal objetivo quando efetivamente conseguir representar com perfeição este mundo ideal;

3.) Prima philosophia (Filosofia primeira) como filosofia da consciência: na passagem da metafísica antiga para a moderna, a principal tarefa é explicar como o conhecimento é produzido e reproduzido e de onde advém a autonomia da razão do sujeito. Se na metafísica antiga à filosofia primeira cabia explicar o que é o mundo, na metafísica moderna a prima philosophia transforma-se em fundamentar a mente humana e a consciência de si;

4.) Conceito forte de teoria: na filosofia antiga o auge do desenvolvimento humano seria a vida dedicada à contemplação. O bios theoretikos (vida contemplativa) está acima da atividade do homem de Estado, do médico, ou do pedagogo, por exemplo. Esta relação se dá porque a especulação e contemplação são encaradas como formas de acesso privilegiado à verdade, à verdadeira verdade do mundo e das coisas.

Um quinto aspecto, e talvez seja este o elemento mais fundamental à metafísica, deve ser acrescentado àqueles anteriormente apontados: a noção de infinitude.

A idéia de infinitude na metafísica possui com esta uma relação de perfeita imbricação. Não haveria pensamento metafísico sem o horizonte da infinitude como seu pano de fundo. A infinitude, isto é, a perspectiva de que as verdades possam ser atemporais e a-históricas, perenes e plenamente estáveis, é a pedra fundamental de toda construção metafísica, seja na filosofia, seja na religião ou mesmo no mito.

A infinitude transfere para a filosofia, através da metafísica, a segurança e a confiança no destino, perdidas com o descrédito nas narrativas e explicações mitológicas e teológicas do mundo e das coisas. O infinitismo é o princípio organizador da metafísica ocidental, portanto.

A partir de uma visão metafísica dentro da filosofia, na ontologia buscam-se causas e verdades. Na ética, são buscadas regras que vigorem incondicionalmente, isto é, que sejam universais e infinitas.

A idéia de existência de um conceito forte de verdade oferece um conforto metafísico ao homem. Existem verdades absolutas e universais e, a partir disto, as contingências do processo histórico, da própria existência, são menos ameaçadoras.

A infinitude é a marca principal da metafísica, pois é nela que o ser humano deposita toda a esperança em deixar para trás sua angústia e sofrimento em saber que pertence ao mundo e à história apenas. O peso quase insuportável da faticidade de estar-no-mundo é suavizado pela esperança trazida pela noção de infinitude. E à metafísica, após o mito e a religião, coube a tarefa especial de fundamentar e tornar aceitável, do ponto de vista racional e sistemático, esta infinitude.

À filosofia, quase irmã gêmea da metafísica desde seu nascedouro, coube igual tarefa. Por quase dois mil anos. Tal tarefa, tal encargo, não é mais possível, todavia, à filosofia. Depois de Darwin, de Nietzsche, Freud, de Heidegger, não mais. Houve tempo em que filosofia e metafísica estiveram juntas, trilharam os mesmos caminhos. É hora de separarem-se. É o momento, finalmente, de a filosofia emancipar-se da metafísica. Ultrapassá-la. Mas como?

Ora, somente em uma base de compreensão do caráter de finitude do homem é que se pode construir um pensamento efetivamente pós-metafísico, renovado, onde a obstinada procura pela verdade seja substituída pela luta pela democracia, liberdade, e justiça social. Somente uma filosofia que trabalhe dentro do horizonte da finitude, isto é, que coloque a existência humana no âmbito da história, da transitoriedade e da particularidade, poderá efetivamente levar a filosofia e o pensamento ocidental para além da metafísica.

Para além da metafísica, significa um pensamento renovado, pós-metafísico, que seja consciente da finitude do homem, deixando para trás os esquemas essencialistas e transcendentais, próprios do desejo pela infinitude. Uma filosofia finalmente voltada para o futuro e não apenas para o passado, um pensamento que possa, gradualmente, substituir o equívoco de nos enxergarmos pelo lado de fora do tempo e da história pela busca de uma sociedade antiessencialista, que pense a utopia possível de uma democracia abrangente. Uma sociedade  em que a liberdade humana seja tomada não em um sentido metafísico (não-humano, fora do humano),  mas como fruto de uma criação inteiramente humana.

Fora, e para além do conforto metafísico, existe a imperfeição, a temporalidade, o inacabamento, a finitude. Mas existe também a riqueza, a inconformidade, a complexidade, o desejo humano, enfim, de constuir o seu próprio futuro, de ser livre. Fora da metafísica não há certezas. Mas há esperança.

Marcelo Lorence Fraga

Mestre em Filosofia

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

HABERMAS, Jürgen. Pensamento Pós-metafísico. Estudo Filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

________________. O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Dom Quixote, 1990.

HEIDEGGER, Martin. Ensaios e conferências. Petrópolis: Vozes, 2002.

LOPARIC, Zeljko. O Fim da Metafísica em Carnap e Heidegger. In Boni, Luis A. De (org.). Finitude e Transcendência. Festschrift em Homenagem a Ernildo J. Stein. Petrópolis: Vozes; Porto Alegre: PUCRS, 1995.

RORTY, Richard. Contingência, Ironia e Solidariedade. Lisboa: Presença, 1994.

____________. Verdade e Liberdade: Uma réplica a Thomas McCarthy. In GHIRALDELLI Jr, Paulo. Richard Rorty. A filosofia do Novo Mundo em busca de mundos novos. Petrópolis: Vozes, 1999.

____________. Pragmatismo. A filosofia da criação e da mudança. Coletânea de textos organizada por Cristina Magro e Antônio Marcos Pereira. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

STEIN, Ernildo. A caminho de uma fundamentação pós-metafísica. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.

___________. Diferença e metafísica: ensaios sobre desconstrução. Porto Alegre: EDIPURS, 2000.

___________. Compreensão e Finitude: estrutura e movimento da interrogação da heideggeriana. Coleção ensaios – política e filosofia. Ijuí: Unijuí, 2001.

Anúncios

2 opiniões sobre “Características da Metafísica Ou a Metafísica e a Finitude

  1. Nestor Bizzo Marcelo. Seu texto agora ficou cristalino. A clareza, porém, me levou a uma dúvida: se os princípios controladores na metafísica são “princípios epocais”, “…paradigmas construídos por pensadores e que se tornam referências com capacidade de influenciarem decisivamente em outras instâncias da cultura…”, a infinitude na metafísica seria provisória. Em outras palavras, serão infinitos enquanto durarem… (é isso?)

    • Prezado Amigo Nestor Bizzo, muito obrigado pela leitura do Ensaio pela ponderação feita. Em relação a tua dúvida, dois são os aspectos a serem abordados: Filosofia e Teoria da Ciência. Primeiro, em relação à Filosofia mais propriamente. A Filosofia nasce com o signo da Metafísica. Foram e são irmãs gêmeas. Ao longo da História da Filosofia, no entanto, a partir dos Pensadores Modernos, mas especialmente com os Contemporâneos, vai ficando evidente que Filosofia e Metafísica se confundem e começa um processo de análise (quase de autoanálise, eu diria), tentando perceber a influência de uma na outra. Aos poucos, os Filósofos vão se dando conta de que é preciso demonstrar o que seja Filosofia e o que seja Metafísica. Dito de outro modo: torna-se importante para os Pensadores Contemporâneos destacar a influência da Metafísica na Filosofia, lançando assim o desafio de sustentar a possibilidade de um Discurso Filosófico mais distante desta influência. Nesse sentido, a idéia de ultrapassagem da Metafísica (a imagem representa a Filosofia finalmente ultrapassando a Metafísica). Neste Ensaio, tentei expor algumas das características centrais da Metafísica, mas que também o são da Filosofia, pelo que coloquei acima. E acrescentei a estas características, que são mais ou menos de consenso entre os analistas, a marca da Infinitude (ou da não aceitação/consideração da idéia de Finitude).
      Os princípios epocais são uma espécie de Paradigmas Filosóficos (aí é que entra a questão da Teoria da Ciência, mas depois vou para ela). Em minha análise levada adiante no Ensaio, pretendo sugerir que a marca da Infinitude seja um princípio epocal quase perpétuo da Metafísica. E, por extensão, de boa parte da Filosofia, não apenas de um Filósofo específico, mas de quase toda ela. A partir de Heidegger (de outros Pensadores também, mas creio que especialmente com ele), em Ser e Tempo, que é de 1927, se começa a jogar luz na questão, e dá-se o início, tímido, da tentativa de construção de um Pensamento Filosófico calcado na idéia de Finitude (Finitude do ser humano, das coisas) e, de certa forma (esta é a minha ‘tese’ no Ensaio), a elaboração de um Pensamento Pós-metafísico, ou da Filosofia apartada, finalmente, da Metafísica.
      Segundo aspecto: Teoria da Ciência. Com Thomas Kuhn, surge de forma mais clara a análise da importância dos Paradigmas no desenvolvimento científico e, por extensão, no desenvolvimento do próprio pensamento humano. Na visão de Kuhn, é partir do surgimento de um conceito sólido e de consenso na Ciência (o Paradigma), é que se avança para outros níveis de conhecimento. Um paradigma novo é buscado. O novo paradigma substitui o antigo. Karl Popper e meu ex-professor Araújo Santos entendem um pouco diferente. Concordam com parte da visão de Kuhn, mas entendem que não necessariamente o paradigma novo substitui, extingue o paradigma anterior. Eles podem coexistir.
      A partir disso, tento responder a tua inquietação da seguinte forma: a Infinitude se constitui num paradigma central da Metafísica. Sem este paradigma, ausente ele, a Metafísica desaparece, não se sustenta. Inexiste. Dito de outra maneira: não teria sido possível construí-la. Já em relação à Filosofia, sim este paradigma pode (e deve) ser ultrapassado, abandonado, tornando esta Área de Conhecimento mais adequada e capacitada a pensar e oferecer alternativas aos desafios de nosso Tempo, à luz do horizonte da finitude. Todavia, dentro da idéia de paradigmas coexistindo (Karl Popper e Araújo Santos), também haverá pensamento filosófico ainda sob a influência da Infinitude, que busque o apoio e a reafirmação dos conceitos controladores da Metafísica.
      Espero haver ajudado. Peço sua permissão para publicar no Blog Esboços Filosóficos a sua dúvida e esta minha tentativa de resposta a ela. Provavelmente ela poderá auxiliar outros Leitores com inquietações semelhantes. Mas uma vez muito obrigado. Um Grande Abraço Amigo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s